O que o Buda pensava sobre as mulheres?

Em nenhum dos três ramos do budismo asiático as mulheres têm igualdade em relação aos homens. Na Theravada, a ordem feminina de monjas fora extinta até recentemente e não é plenamente reconhecida. No budismo tibetano Vajrayana, a situação é parecida, com o Dalai Lama afirmando que a decisão de restabelecer a ordem feminina é da Sangha e não dele pessoalmente. Mesmo na mahayana do leste asiático, onde a ordem feminina sobreviveu, são geralmente os homens na liderança dos grandes templos e ou organizações. Neste belíssimo texto, Bhikkhu Cintita revisita a Vinaya para dizer o que o Buda pensava sobre as mulheres e a ordenação feminina.

Porque os budistas deveriam ser vegetarianos

Apesar de Buda ter comido carne, Ajahn Sujato pondera sobre as implicações de ser vegetariano tendo em vista o contexto do mundo moderno. Ele afirma que Sila (ética) vai além do Kamma (ação) e argumenta que a preocupação ética do budista, portanto, deve extrapolar a preocupação cármica.

Sabedoria acima da justiça

Neste texto, Thanissaro Bikkhu reflete sobre a ação social dos budistas. Segundo ele, a ideia de justiça como fundamento absoluto é eminentemente ocidental e cristã. Ele propõe que a busca por melhores condições sociais, do ponto de vista budista, seja implementada a partir da noção de sabedoria e de méritos.

Integrando a espiritualidade na política popular

Phra Paisal Visalo é um monge Theravada da Tradição Tailandesa da Floresta. Ele é abade de Wat Pah Sukato, no nordeste da Tailândia. Visalo é famoso por seu ativismo social e, principalmente, pela luta pela preservação ambiental em seu país. A Tradição Tailandesa da Floresta tem sofrido muito com a devastação da flora nacional. Neste texto Visalo discute a importância da espiritualidade no ativismo sócio-político e na preservação ambiental a partir de suas experiências como monge de floresta no interior do país.

Porque os budistas deveriam apoiar o casamento igualitário

Muitos budistas tem se posicionado sobre a homossexualidade e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas raramente se fala sobre o que o próprio Buda disse a respeito. Neste texto, Ajahn Sujato examina no Cânone Páli o que Buda Gotama falou sobre o tema tanto nos Suttas quanto na Vinaya.

Contentamento e esperança: ou porquê Paul Williams está errado sobre o budismo

Resposta do monge australiano Ajahn Sujato às críticas de Paul Williams, ex-budista convertido ao catolicismo. Williams afirma que o budismo não traz esperanças para os seus praticantes, em oposição ao cristianismo. Sujato argumenta que o budismo não foca na esperança porque ensina o caminho do amadurecimento que dispensa a fé na esperança e finca raízes no presente e na realidade.

As tradições Theravāda e Mahāyāna precisam uma da outra. Sem cooperação, o Budismo estará condenado!

Neste artigo, Bhikkhu Cintita Dinsmore discorre, com argumentos históricos, sobre como ocorreu o distanciamento entre as duas tradições. Segundo ele, nunca houve, de fato, uma desunião como a que vivenciamos em séculos recentes. Além disso, o autor aponta a extrema necessidade de uma ajuda mútua entre estas escolas, deixando de lado possíveis contradições e conflitos. As [...]

A comunidade budista deveria se engajar em ativismos sociais? Confira nesta entrevista com Ajahn Sujato.

Em dezembro de 2016, Ajahn Sujato concedeu uma entrevista a Raymond Lam, escritor sênior do site Buddhistdoor. O monge, engajado politicamente, falou sobre várias questões sociais contemporâneas, incluindo: ambientalismo, política e direito das bhikkhunis. Confira abaixo: Uma tarde com Ajahn Sujato: coragem pessoal e a restauração do objetivo moral da Sangha por Raymond Lam O alto [...]