Do porquê podemos ter certeza de que Deus não existe

A opinião de um monge budista, Bhante Sujato, sobre Deus: “Se estivermos interessados em nos mover além da razão, não há necessidade de invocar um conjunto de crenças teístas; o Buda mostrou isso há 2500 anos. O importante é a expansão da consciência e, para isso, Deus é irrelevante”.

Anúncios

De Ajahn Sujato

Alguns meses atrás escrevi uma réplica à crítica de Paul Williams ao budismo. Isso me fez pensar um pouco sobre teologia; sempre tendo em mente o ditado hindu que diz que quem ama a Deus se iluminará em sete vidas, mas quem o odeia se iluminará em três!

Lembrei-me de algo do [livro] Deus, um delírio, de Richard Dawkins. Eu o li há alguns anos, e teve algo nele que me incomodou. É claro que há muitas coisas que podem ser questionadas nesse livro, mas uma coisa me impressionou: mesmo lançando o mais virulento ataque possível contra deus, o autor afirma que podemos ter quase certeza de que Deus não existe. Depois de refletir, tenho a impressão que ele está sendo muito medroso: na verdade, podemos e devemos estar totalmente certos de que Deus não existe.


Resumindo: O conceito de Deus, em qualquer forma reconhecível, envolve não uma, mas uma série em cascata de impossibilidades, incoerências e contradições, qualquer uma das quais é insuficiente para descartar tal noção de imediato, mas que se tomadas em conjunto reduzem a probabilidade da existência de Deus a praticamente zero. Além disso, não há precisamente nenhuma evidência em favor da existência de Deus. A única conclusão racional é que Deus não existe.


Certeza

Dawkins, é claro, está sendo um bom cientista e opera dentro da estrutura epistemológica conservadora da ciência moderna, segundo a qual não é possível chegar a uma verdade definida sobre qualquer coisa. Toda essa lógica é boa e legal, mas não é como as coisas funcionam.

A realidade é que aceitamos o tempo todo muitas coisas como certezas. É certo que hoje é segunda-feira. É certo que estou sentado no chão. É certo que estou respirando ar. Claro, podemos realizar uma fantasia solipsista onde duvidamos dessas coisas para fins filosóficos, mas para qualquer propósito pragmático, essas coisas são certezas.

Outra maneira de olhar a questão é pensar no oposto da certeza, a dúvida. “Questione tudo!”: Assim diz o slogan. Parece ótimo, mas é completamente impossível. Se você realmente questionasse tudo, nunca faria nada. Eu vou pegar um copo de água. Mas há água? Há copo? Eu sou eu? Como prossigo? Se realmente questionássemos tudo, não encontraríamos sabedoria, ficaríamos paralisados e incapazes de entender qualquer coisa.

Desta forma, o padrão de “questionar tudo”, ou seu correlato, “nada é certo”, torna-se apenas mais um absoluto metafísico. Torna-se uma doutrina inquestionável; e claro, isso suscita a questão: podemos duvidar da ideia de que tudo deveria ser duvidado?

O que a ciência e o budismo de fato operam é muito mais pragmático. A verdade é abordada de uma maneira sensata, aceitando contingentemente a maioria das coisas como verdadeiras, e identificando apenas uma coisa, ou um conjunto de coisas, como objeto de investigação. A maneira como escolhemos tais coisas é amplamente baseada no que importa: para a ciência, ter uma melhor compreensão do mundo físico; para o budismo, escapar do sofrimento.

Portanto, temos uma abordagem pragmática da verdade e questionamos as coisas quando parece que o questionamento será útil. Claro, não saberemos até mais tarde se será realmente útil, mas fazemos nossa melhor aposta com base no que aprendemos anteriormente, depois checamos os resultados.

Ao invés de dizer que tudo deve ser duvidado o tempo todo, então, seria melhor dizer que qualquer coisa poderia ser posta em dúvida, se ao duvidar ou questionar podemos obter algum benefício.

1200px-018_Devas_in_Heaven_(9174314518)_(2)

Definindo Deus

Em tais discussões, é costume que os teístas digam que, na verdade, não podemos dizer o que é Deus. Isto aparentemente pretende ser um argumento em favor da existência de Deus, mas não passa de uma afirmação de que tal conceito é, em última análise, sem sentido. Voltarei à falta de sentido de Deus mais adiante, mas por enquanto, quero refutar essa ideia apresentada.

O conceito de Deus não é tão vago que não possamos falar sobre ele. Embora ele nunca possa ser 100% definido, essa não é a questão. Na verdade, praticamente qualquer conceito, se impelido demais, se despedaçará e ficará impossível de definir.

O que importa é se existem qualidades suficientes que são comumente aceitas como parte da compreensão de Deus, a fim de que possamos ter uma conversa sensata sobre o tema. A resposta é: sim, existem. Deus é eterno, ele é moralmente perfeito, é onisciente, onipotente, infinito em extensão e criou o mundo. Praticamente qualquer teologia monoteísta aceita essas e outras afirmações semelhantes sobre o seu Deus. Se rejeitarem estas, provavelmente estamos na esfera dos deuses pagãos, aos quais meu argumento não se aplica. No entanto, qualquer entendimento de Deus que trabalhe dentro dessas qualidades básicas e similares cairá diretamente dentro do “impossível”.

Por que Deus é impossível?

Se levarmos a sério qualquer uma daquelas afirmações, fica imediatamente visível que elas são simplesmente absurdas.

O que poderia significar, por exemplo, dizer que uma entidade é onipotente? Ela poderia literalmente fazer qualquer coisa: salvar a vida de um pássaro, levantar um homem dos mortos, começar um universo, ou mudar a órbita de um elétron em um átomo de hidrogênio flutuando na Nebulosa Cabeça de Cavalo.

Isso é simplesmente ridículo. Não tem correlação com nada que conhecemos do universo. Não há nada na ciência, nada na experiência, nada em qualquer lugar que dê a mínima credibilidade a essa ideia.

Viola, de fato, todo fato observável sobre o universo. Tudo o que vimos, toda realidade física que você ou eu já experimentamos ou experimentaremos opera de acordo com certos princípios bem compreendidos. E essas coisas são sempre limitadas. As coisas decaem. A energia flui em direção ao equilíbrio. Empurre algo e será empurrado de volta. E assim por diante. Toda observação já feita sobre o universo segue isso.

É claro que há muitos detalhes que precisam ser trabalhados e muitas áreas em que nosso conhecimento é inadequado. Mas a única maneira de expandir nosso conhecimento é começar com o que de fato observamos e compreendemos e trabalhar a partir daí. Você não pode simplesmente tirar do seu chapéu uma coisa que é totalmente diferente de tudo e afirmar que isso é digno de consideração séria.

E a onisciência? Saber literalmente tudo o que está acontecendo agora, no passado e no futuro? Boa ideia, mas contradiz tudo o que conhecemos sobre como funciona a consciência. Como o Buda apontou ad infinitum, a consciência funciona de acordo com condições. Essas condições são, como todas as condições, limitadas, impermanentes, temporais e localizadas.

Como já argumentei anteriormente ao discutir ideias de “consciência infinita” que maculam muito o misticismo budista, a noção de uma consciência que não evoluiu, que não está permeada pelo tempo, que não tem relação com a consciência real que você e eu experimentamos no dia a dia de nossas vidas, é um disparate. Você não pode simplesmente tirar todas as condições que tornam a consciência possível e dizer: ‘a-ha! Isso é uma consciência!’. A onisciência é profundamente impossível.

Eternidade? A mesma coisa. Ninguém nunca experimentou nada eterno. Na verdade, é completamente impossível fazê-lo. Você não pode usar uma limitada consciência impermanente para experimentar um período de tempo infinito, da mesma forma que você não pode pegar uma régua ou fita métrica limitada e medir uma distância infinita. Até mesmo a existência do passado e do futuro é bastante duvidosa, quanto mais a noção de eternidade.

A impermanência não é meramente uma coisa arbitrária que acontece à consciência: é como a consciência funciona. A mudança é a maneira pela qual a consciência aprende, se desenvolve e vem a ser. Na meditação profunda, certamente esse processo é radicalmente restringido, e é por isso que, com uma percepção limitada e o poder do apego ao ego, é fácil confundir esses estados como eternos. Mas não são, são meramente dependentes de condições sutis. Este foi um dos principais insights do Buda.

Espero que não precise continuar. A questão é bastante simples: toda qualidade que é comumente atribuída a Deus é simplesmente afirmação infundada, que contradiz tudo o que sabemos sobre o mundo como ele é, e para o qual não há evidências.

Não só não existe evidência atualmente como também não é possível que haja. Como alguém poderia provar que Deus é onipotente? Que meios possíveis de saber poderiam existir para estabelecer isso? Nenhum.

Mas a impossibilidade de Deus é mais profunda do que isso, pois não apenas cada qualidade de Deus é impossível individualmente, como também é impossível coletivamente. O argumento mais poderoso aqui é o problema do mal. Deus sabe de tudo, então ele sabe não apenas todas as coisas ruins que são feitas, mas como evitá-las. Ele é todo poderoso, então ele pode prevenir todo mal sem efeitos colaterais prejudiciais. E ele é moralmente perfeito, então ele sempre fará a coisa certa. No entanto, há muito mal no mundo, o mal que até mesmo uma pessoa moralmente imperfeita de limitados conhecimento e poder pode eliminar. Como é que Deus permite que esse mal persista?

Os teístas têm discutido esse argumento há séculos, mas não examino todas as suas defesas aqui, nem por que elas não funcionam. Basta dizer que o problema do mal é altamente robusto e, mais do que isso, é espiritualmente importante, pois vai ao âmago do porquê de nos engajarmos na prática espiritual: o problema do sofrimento. Qualquer doutrina que vise abordar o sofrimento, e o faz deixando um buraco tão aberto em seu cerne, está fundamentada unicamente no irracional.

O problema do mal é apenas um dos muitos argumentos que os filósofos desenvolveram ao longo dos anos para mostrar que Deus não pode existir. Quando começamos a levar a sério as afirmações que são intrínsecas à noção de Deus, as impossibilidades cascatam uma após a outra, multiplicando a improbabilidade, que já estava desaparecendo com o primeira atributo de Deus.

Além disso, há muitas outras considerações que poderíamos fazer. Tomemos, por exemplo, o critério da utilidade, que é um dos padrões básicos que qualquer proposta científica deve satisfazer. Se foi o caso que Deus criou o mundo, certamente ele deixaria algumas impressões digitais em algum lugar? Certamente este fato seria o principal dado subjacente a qualquer teoria física bem sucedida? Certamente seria o fato mais importante sobre o mundo? No entanto, aqueles que fazem ciência sabem que a hipótese de Deus não é apenas totalmente inútil para explicar qualquer fenômeno físico, mas tem uma influência positivamente perniciosa, que frequentemente emperra a ciência.

O exemplo mais pertinente disso hoje é, obviamente, a ridícula doutrina criacionista nos EUA e em outros lugares. Recuso-me a dignificá-la com o termo “design inteligente”, pois o que ela descreve não é nem inteligente nem um design. É a doutrina que Deus criou o mundo, e isso explicaria como todos os diferentes animais e plantas vieram a existir. No entanto, esse dogma tolo não acrescentou nada ao nosso entendimento da biologia. Nada, depois de centenas de anos e inúmeros proponentes. É uma hipótese completamente estéril e inútil para entender qualquer coisa sobre o mundo.

Mais uma vez, poderíamos continuar nesse caminho indefinidamente. Literalmente não há fim para o absurdo que pode ser argumentado e justificado com base na única suposição equivocada de que Deus existe. Tanto é assim que proponho o seguinte: qualquer assunto, se investigado racionalmente, refuta a existência de Deus.

O que poderia ser mais impossível que Deus?

Aqui eu gostaria de propor uma escala de impossibilidade. Começaremos com coisas que todos podemos concordar, e veremos o quão estranho pode ficar antes de encontrar algo mais improvável de existir do que Deus.

Que tal os unicórnios? Eles não existem, certo? Mesmo cientistas linha dura estão de acordo sobre isso, presumo eu. No entanto, eles não são tão improváveis. Basicamente, um cavalo com um belo chifre; vamos deixar de lado as variedades mais mágicas aqui. Eles poderiam ter existido, mas a evolução não deu esse passo em particular. Agora, dado o tamanho do universo, não poderíamos argumentar que os unicórnios provavelmente existem em algum mundo? Claro, por que não? Mas vamos reformular nosso princípio: os unicórnios não existem na Terra. Dá certo, pensando assim.

Assim sendo, ainda há alguma chance de estarmos errados. Afinal, novas espécies, incluindo alguns mamíferos de tamanho considerável ainda estão sendo descobertas. E os unicórnios não violam nenhuma lei da ciência conhecida. Dessa forma, eles não são completamente impossíveis, mas ainda assim, tão improváveis que ninguém dá à sua existência qualquer pensamento sério. No entanto, eles são muito mais propensos a existirem do que Deus.

Em seguida, pense no Papai Noel. Com seu trenó voador, renas com narizes vermelhos brilhantes, oficina no Pólo Norte e sua incrível capacidade de visitar todas as casas de crianças de todo o mundo em uma noite (com exceção, é claro, dos pobres e dos desabrigados), ele é muito menos propenso a existir do que um unicórnio. Ele viola várias leis da física. Além disso, como Deus, o fato de muitas pessoas acreditarem nele é facilmente compreensível como uma realização do desejo. Podemos traçar as forças culturais, históricas, psicológicas e comerciais que levaram ao fenômeno cultural do Papai Noel, e não há necessidade de invocar uma explicação sobrenatural.

Dessa forma, ele é impossível, ele não existe: e ainda assim é muito mais provável de existir do que Deus. Voar pelo ar em um trenó é praticamente impossível, mas veja, talvez haja alguma tecnologia super avançada que possa fazer isso acontecer. E quem sabe o que os avanços da cirurgia plástica podem trazer para o florescente campo do aprimoramento do nariz de renas? Chegar a todas as casas numa única noite: não é tão fácil de explicar. Mas é uma milhão de vezes mais fácil do que explicar a capacidade de literalmente fazer qualquer coisa. Isso é muito mais impossível, se não infinitamente mais impossível. Assim sendo, Deus é muitas, muitas ordens de grandeza mais improvável de existir do que o Papai Noel.

Ok, então que tal algo um pouco menos fantasioso? É possível, por exemplo, que 2 + 2 = 5? (Podemos reformular isso em termos ontológicos, se você quiser: qual é a probabilidade de que exista uma afirmação verdadeira de que “2 + 2 = 5”?) Certamente não há ninguém, nem mesmo o cientista mais cético, que trataria isso como possível.

Assim sendo, afirmações matemáticas são verdadeiras ou falsas por definição. Uma vez que sabemos os termos do problema, podemos chegar ao resultado de que 2 + 2 = 4, e nunca é igual a 5. Podemos fazer isso em matemática pura, e se quisermos, podemos confirmar por observação empírica, como tem sido feito incontáveis milhares de vezes.

Mas a história da ciência está repleta de exemplos de axiomas aparentemente auto-evidentes que se revelam tudo menos isso. Um exemplo clássico é o euclidiano “uma linha reta é a menor distância entre dois pontos”. Auto-evidente, demonstrável pelo teorema, e confirmado por incontáveis testes: ainda assim errado. Einstein mostrou que a menor distância entre dois pontos é de fato uma curva, devido à influência da gravidade.

É esse tipo de exemplo que leva à ideia de que tudo deve ser questionado. No entanto, o teorema de Euclides funcionou perfeitamente por milhares de anos, como de fato ainda acontece hoje, exceto quando se calculam trajetórias de naves espaciais e similares. Só se tornou útil questioná-lo quando certos desenvolvimentos teóricos forçaram uma nova abordagem, que foi posteriormente confirmada pela observação.

Portanto, é possível que “2 + 2 = 5” possa estar correto. Talvez nossa noção de um número seja falha. Talvez estejamos vivendo numa pequena porção de um Universo muito maior, onde uma matemática diferente se aplica. Claro, incrivelmente improvável, mas ainda mais provável que a existência de Deus.

Para fazer 2 + 2 = 5 teríamos que revolucionar nossa compreensão dos números e suas relações. Isso levaria a algumas mudanças em nossa cultura, assim como mudar a ideia sobre linhas retas levou a algumas mudanças, como melhorias na astronomia e compreensão do cosmos. Mas a existência de Deus exigiria uma rejeição ainda maior e generalizada de tudo que já vimos e aprendemos sobre o Universo. Nenhuma lei da física, nenhuma concepção de tempo e espaço, nenhum princípio moral, nenhuma história, nada escaparia à revisão. Para concluir: a afirmação “Deus existe” é muito mais improvável de ser verdadeira do que a afirmação “2 + 2 = 5”.

Ok, então o que é mais improvável do que isso? Que tal algo que seja simplesmente sem sentido? Tem a clássica frase “ideias verdes dormem furiosamente” do Chomsky; uma sentença correta do ponto de vista sintático, mas que é sem sentido. Podemos dizer que tal afirmação é verdadeira ou falsa? Em outras palavras, podemos fazer uma afirmação ontológica da forma: existe uma frase verdadeira assim: “idéias verdes dormem furiosamente”? Bem, soa improvável, e a maioria dos filósofos diriam que não. Mas, para nossos propósitos, talvez seja relevante. Tal declaração, ao contrário de 2 + 2 = 5, não está sequer errada. Ela simplesmente não tem clareza semântica suficiente para ser o tipo de coisa que possa existir. Nesse caso, então, poderíamos dizer que é mais improvável que exista.

No entanto, a frase ainda não está totalmente fora de questão. A declaração, assim como a afirmação “2 + 2 = 5”, depende do significado, e o significado é uma fera escorregadia. Houve várias tentativas de criar um contexto lingüístico em que “idéias verdes dormem furiosamente” tenha, de fato, sentido. Se foram bem sucedidos ou não, ainda é o caso de que a declaração pode ter algum sentido. E se tiver sentido, pode ser verdade.

Como no exemplo anterior, se encontrássemos uma maneira de dar sentido, ou mesmo veracidade, a essa declaração, isso implicaria alguma revisão em nosso entendimento, neste caso, da lingüística e, possivelmente, da natureza das cores, ideias, sono ou furiosidade.

No entanto, isso seria muito menos revolucionário do que se descobríssemos que Deus existe. Para resolver isso, não seria exigido mais do que uma filosofia racional, ao passo que apreender a realidade de um Deus existente iria requerer uma maneira inteiramente nova de conhecer o mundo, que não tem relação com nada que alguém já tenha experimentado. Mais uma vez concluímos: a afirmação “Deus existe” é muito mais improvável de ser verdadeira do que a de que exista uma frase verdadeira: “idéias verdes dormem furiosamente”.

Estou no limite. Estou achando difícil encontrar coisas que são mais improváveis do que Deus. Talvez alguém possa me ajudar! Mas suspeito que meu argumento está dado.

Deus não existe. Se há um caso em que possamos usar a palavra “certeza”, é esse. A existência de Deus não é meramente improvável, mas é de tal monumental improbabilidade que a palavra “impossível” não lhe faz justiça. Simplesmente não temos uma linguagem que capte totalmente o grau de improbabilidade de Deus. As coisas normais que chamamos de “impossíveis” são infinitamente mais prováveis de serem verdadeiras do que a existência de Deus.

20150730111110_buddha_asarnlaha

Mas por quê?

Se este argumento está correto, então podemos nos perguntar por que tantas pessoas acreditam em algo tão improvável? Existem muitos teístas inteligentes, sensíveis e sinceros: se é realmente tão óbvio, como eles se enganaram?

Eu não quero me aprofundar muito na psicologia da religião aqui, mas retornarei brevemente à questão do significado. Era um axioma dos positivistas lógicos que afirmações metafísicas como “Deus existe”, são, num sentido profundo, sem sentido. Elas constituem um uso da linguagem que, embora seguindo externamente a gramática e a sintaxe normais da linguagem, não tem conteúdo.

Tem algo interessante nessa ideia; mas não é uma coisa que acontece por acaso. Deus precisa ser entendido de uma maneira que está além do alcance da razão e da evidência, apesar dos esforços de inúmeros teólogos em contrário. Tão logo Deus vem ao domínio da evidência ordinária, da lógica ou do significado, ele entra no mundo profano; ele fica maculado pelo mundo e retira-se dele com medo. Este é um caminho fundamental do impulso religioso; ele se move em direção ao irracional. E lá, como símbolo, sentimento ou impressão, Deus tem um lugar genuíno.

É a falta de sentido do conceito de Deus, a absoluta impossibilidade, que o torna uma ideia tão fértil e poderosa; que permite, de fato, tornar-se o foco de significado para tantas pessoas. É precisamente a falta de significado linguístico de Deus que lhe confere um excedente de significado espiritual.

Isso aponta, acredito, algo mais sutil sobre a noção de Deus. Para alguns, ele é um significante de uma realidade superior, uma realidade que não pode ser capturada por palavras e razão. E há algo de verdadeiro nisso: há níveis genuinamente mais elevados de consciência que não são acessíveis à mente racional, e, nesse sentido, a noção de Deus pode genuinamente levar ao desenvolvimento espiritual.

O problema é que Deus é um portador confuso desse significado. Algumas coisas não são racionais porque vão além da razão; mas outras coisas não são racionais porque se situam abaixo da razão. Assim, enquanto Deus pode elevar algumas pessoas a uma realização espiritual mais elevada, ele tem a mesma probabilidade de arrastar seus seguidores para baixo da razão, de volta à lama da irracionalidade, do fundamentalismo e da imoralidade dogmática. A razão para isso não é difícil de encontrar: Deus evoluiu a partir da brutal divindade guerreira de um povo tribal primitivo, e ele ainda mantém viva muitas de suas características dos velhos e maus dias. Enquanto alguns crentes iluminados encontram uma maneira de superar isso, os caminhos antigos ainda estão lá, e podem ser apoiados por incontáveis passagens das escrituras.

Se estivermos interessados em nos mover além da razão, não há necessidade de invocar um conjunto de crenças teístas; o Buda mostrou isso há 2500 anos. O importante é a expansão da consciência e, para isso, Deus é irrelevante. Em pesquisas recentes, muitos teístas concordam que os ateus têm a mesma probabilidade de serem pessoas boas, e algumas vezes até dizem que a religião faz mais mal do que bem. Precisamos de uma estrutura para um genuíno desenvolvimento espiritual que inspire, como Deus às vezes faz, um movimento em direção a uma maior compaixão e sabedoria, evitando a brutalidade, o sexismo e a ignorância que Deus muitas vezes atrai em sua esteira.

Original em inglês: https://sujato.wordpress.com/2015/01/14/why-we-can-be-certain-that-god-doesnt-exist/

Tradução de Tiago Ferreira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s